Eu, os Eventos Médicos e Muitas Noites sem Dormir

Estávamos há cinco dias sem dormir. Durante o dia estávamos na clínica, à noite os computadores nos acompanhavam até no hotel, e varávamos a madrugada programando. Por cinco dias vi o sol nascer pela persiana da sala. Quando fechava um ciclo de programação, apertava o botão para compilar e me jogava no sofá para fechar os olhos por alguns minutos. Naquele tempo não se falava muito sobre ‘startups’, mas acredito que éramos uma. Foram longas noites à frente do computador. Mas nossa história não começou aí, temos alguns capítulos antes.

O ano era 1999, época do Congresso Brasileiro de Ecocardiografia, alugamos um carro e fomos para BH. Um ficou no banco de trás programando, outro dirigindo, e o terceiro com o mapa para não perder o caminho. Tínhamos que finalizar alguns detalhes para apresentar o nosso sistema no evento. O estande era o mais simples: branco, básico, montado com octagon. Mas foi o suficiente. Desde o primeiro dia ao último, ficou lotado, todos queriam ver a nova solução para os médicos. O nosso sistema tornava possível fazer os laudos de Eco facilmente e jogar as imagens do equipamento direto para o computador, o custo x benefício tornava-o muito atraente. Foi um sucesso! Dali para frente o sistema sempre teve vendas recorrentes.

Alguns anos depois, em 2002, tivemos um outro desafio, ir para uma nova especialidade: endoscopia digestiva. Foi no Costão do Santinho, em Florianópolis, um lugar paradisíaco. Juntamos as nossas economias, por oito mil reais poderíamos ter um estande no evento e tentar a sorte. Por causa da distância decidimos ir de avião (a maioria das nossas viagens era realizada de carro ou de ônibus) e alugar computadores em uma empresa local. Fomos rumo ao desconhecido. No dia da montagem, tivemos algumas surpresas desagradáveis: o nosso estande estava no subsolo, oito concorrentes bem estruturados, não tínhamos computadores, era um feriado local, e o telefone da empresa de locação só chamava. Tivemos medo. Ficamos pensando no dinheiro investido, seriam oito mil reais perdidos, e cogitamos desistir do evento para reaver o dinheiro. Foi desanimadora a situação. À noite, no hotel, eu orei a Deus pedindo um milagre, aquele era o momento certo para isso acontecer. Pela fé, somente por ela, teríamos uma saída.

Foi um investimento alto, arriscamos para ganhar, estávamos com o peso de estar em uma nova especialidade. Sem recursos, estávamos contando moedinhas e com oito concorrentes para nos assolar. A minha oração à noite tinha muitos fundamentos, poderíamos ter uma reviravolta em nossa empresa para cima ou para baixo, aqueles dias eram decisivos para nós.

No primeiro dia do evento, conseguimos emprestado um computador com um amigo de Florianópolis, era de sua casa, mas servia para a demonstração. Nas primeiras horas da manhã, um médico entra e pede para ver o sistema. Mostramos alegremente o nosso produto, ele gostou muito, pediu alguns folhetos e foi embora. Pelo menos um conhecedor, já é alguma coisa. Ainda estávamos apreensivos com o contexto desmotivador, mas tínhamos um evento pela frente, um milagre poderia acontecer. E de verdade aconteceu. Esse médico voltou com um amigo, queria mostrar o que havia visto. E voltou com mais um, mais um e mais um. Aos poucos, o estande branco do subsolo começou a se encher de prováveis clientes, todos queriam conhecer o nosso produto. Tivemos que pedir reforços, conseguimos mais três amigos para ajudar-nos nas negociações. No final do dia, consegui contato com o rapaz dos computadores, no segundo dia teríamos equipamentos profissionais para demonstração.

Ficamos esgotados, os dois dias que se seguiram foram mais estressantes, a sensação é de que todos os médicos que estavam no evento decidiram visitar o nosso estande. Saí para o corredor, precisava pegar um ar, meu sócio correu para cima de mim e disse: “Aqueles quatro ali estão querendo comprar quatro sistemas por dois mil cada, o que acha?”. Falei que estava muito barato. Ele retrucou: “Eles vão pagar no cheque à vista, só eles já pagam o estande!”. Meu sorriso se abriu. Peguei fôlego e voltei para o trabalho.

Ao final de cada dia, um monte de fichas de pedidos se acumulava, os bolsos estavam cheios. Após a saída do público, deitei no chão para descansar, tinha um papel amassado lá, ao abrir descobrimos que uma médica não conseguiu falar conosco, nem ao menos conseguiu entrar no estande. Apressada, ela escreveu um recado em uma folha e jogou lá dentro: mais um pedido de sistema! Rimos muito dessa situação.

Aquele amigo que nos emprestou o computador virou nosso representante local. Esse evento no Costão do Santinho virou um marco em nossa história como o campeão de pedidos. Um novo mercado se abriu para a Medware. Somente anos depois tivemos um evento capaz de superá-lo em vendas.

Tudo isso colaborou para a realização do nosso maior projeto: Medware Clínicas. Um sistema de gerenciamento de clínicas completo. Para isso, tivemos que passar anos programando e nos aperfeiçoando. Pegamos um avião e fomos para São Paulo, lá ficamos por cinco dias programando especificamente para a clínica de um médico que era referência. Como disse, foram cinco longos dias e noites sem dormir para que tudo fosse feito a tempo. Ver o laranjado com vermelho do Sol amanhecendo por entre as frestas da persiana me trazia a esperança de que mais uma vez Deus nos ajudaria. Só paramos um pouco para assistir “Arquivo X – o Filme”. Eu era fã do seriado e não poderia perder o longa-metragem que passava na TV a cabo. Era um luxo que não tínhamos.

Após muitas correções, idas e vindas a várias clínicas, o novo sistema havia ficado pronto. Tinha uma aparência intuitiva, fácil para usar e ao mesmo tempo robusto e preparado para suportar grande volume de dados. Foi um sucesso como os outros. Em pouco tempo já tinha uma fila de médicos solicitando o Medware Clínicas.

Após o seu lançamento, as coisas ficaram um pouco mais fáceis para nós. Podíamos tirar férias, e, quando estava doente, ficava em casa. Até então esse era um luxo que não tínhamos. Éramos acostumados a trabalhar à noite, nos finais de semana, nos feriados e até em nosso aniversário.  Lembro-me de programar ouvindo os fogos de artifício da virada do ano. Viajamos pelo Brasil de carro e ônibus e fomos em várias cidades de interior para implantar o nosso sistema.

Já são 20 anos de empresa, mais de 60 eventos médicos, mais de 3000 clínicas que possuem soluções Medware, dezenas de milhares de médicos usuários, e muitas narrações prazerosas dessa história que ainda não acabou.

Moisés Nogueira de Faria
CEO MEDWARE